É véspera de Natal.

É véspera de Natal. 19/DEZ - Vanessa Delpy - Publicitária, cofundadora e sócia do Espichamos.com

Já dá pra sentir aquele clima diferente de fim de ano, tingido de verde, vermelho e dourado.

Dá para observar o empenho de tantos trabalhadores, que normalmente não têm tempo para nada, em comprar luzinhas e decorar varandas e fachadas para trazer para dentro de casa – e para quem passa na frente dela – um pouco da esperança de que dias melhores virão. Dá para ver os olhinhos brilhantes das crianças se divertirem com tanto Papai Noel, boneco de neve, renas, trenós e pisca-pisca na cidade.

Magia do Natal para uns, esperança de renovação para outros. As noites ficam mais quentes, o sono mais solto, as risadas mais engraçadas. Até o humor do chefe melhora! Logo mais, entes queridos estarão ao redor da mesa, se deliciando com pratos especialmente feitos para a ocasião, esquecidos das brigas e dando risada de qualquer bobagem.

Quem não aguarda dezembro ansiosamente pensando “ano que vem promete”? Quem nunca comprou romãs, uvas, pulou onda e fez promessa? Qual criança não fica com friozinho na barriga nessa época, aguardando dar de cara com o bom velhinho e ganhar um belo de um presente?

Amigão, agora senta aqui. Eu não queria trazer você de volta à realidade, mas é para isso que estou aqui. Janeirão vai chegar, acredite. E, no final dele, todas as faturas do cartão de crédito que você gastou sem dó pensando em toda a poesia desse fim de ano. A árvore terá que ser desmontada e você dará de cara com um armário cheio de novos presentes, principalmente da criançada que ganhou até alguns repetidos, e você não terá nem como enfiá-la embaixo da cama.

Vamos então fazer um combinado para garantir que este clima delicioso esteja presente neste fim de ano e no começo do próximo também? Primeiro: aproveite para começar a ajudar quem não tem pisca-pisca em casa e faça disso uma constante. Separe roupas, brinquedos, móveis em bom estado e leve para instituições ou pessoas que estejam precisando deles. Organize tudo antes das compras de Natal e lembre-se que, se for comprar um presente para si mesmo porque você merece, que seja algo necessário a ponto de você não querer jogá-lo fora nos próximos anos. Um choque: presente não é obrigação. Necessário é estar junto, saber do outro, ajudar, abraçar, dar um cheiro. Lembrancinhas, então, podem ser ainda piores: você gastará pouco para presentear todo mundo – mas no final aquilo tudo vai pesar no bolso – e é quase certo que as pessoas não ligarão para aquilo já no dia seguinte. E é sério: seu filho, por mais amado que seja, não precisa de presentes sofisticados! Não faça caber no bolso as 12 parcelas pesadas que tirarão seu sono o ano inteiro. Não fortaleça o pensamento de que “se o amiguinho tem, então ele tem que ter também”. Dê o mais valioso presente que ele poderia receber e que ficará em suas raízes, em sua personalidade, em seus valores: educação e amor. Isso dura para sempre. O resto você ensina ele a construir junto com você e, acredite, ele entenderá e estará ao seu lado nessa. Vai por mim.

Por fim, me despeço deste ano com o desejo de que 2017 seja um ano incrível para todos nós. Meus votos são para que possamos ser seres cada vez mais conscientes, responsáveis e solidários, e que possamos ensinar isso aos pequeninos que temos como responsabilidade criar e formar. Isso com certeza basta para sermos uma nação íntegra e chegarmos ao tão sonhado dia de ter conquistado um futuro melhor.

Por Van Delpy
 
O conteúdo da materia é de responsabilidade do colunista
 

 
Vanessa Delpy - Publicitária, cofundadora e sócia do Espichamos.com

Vanessa Delpy é publicitária, mãe de dois meninos e cofundadora e sócia do Espichamos.com - um cantinho fofo, seguro e sustentável para as famílias compartilharem o que os pequenos deixaram de usar. Quer saber mais? Acesse: www.espichamos.com.

Elizabeth Monteiro 2016. Todos os direitos reservados.
Cereja.in