Paciência

Paciência 17/MAR - Bianca De Vit Begrow - atua na área da educação, mãe de Letícia e Manuela

Uma das mudanças mais marcantes no seu modo de ser, depois que você se torna mãe, é o desenvolvimento da virtude da paciência, uma paciência enorme que você não imaginava ser possível antes. Sem dúvida, a maternidade é o maior exercício de paciência ao qual você pode se propor.

Começa na gestação, especialmente na primeira. Você descobre que está grávida e já deseja que, no dia seguinte, as pessoas percebam. Você corre e compra vários modelitos lindos de moda gestante, que ainda ficam gigantes em você. Deseja um barrigão, da noite para o dia! Mas não funciona assim. Por mais moderno que o mundo se torne, por mais recursos e tecnologias que existam, nada – absolutamente nada – acelera o processo gestacional. Não adianta ficar ansiosa. As pessoas na fila preferencial do supermercado vão olhar para você com desconfiança, pois você se sente gravidíssima, sabe que sua barriga não é mais a mesma, mas ainda não é perceptível aos olhos alheios. Você precisa ter paciência para assistir ao crescimento lento e gradativo do desejado barrigão. Verá outras coisas crescerem também: seios, quadril... tudo devagar. As transformações dentro e fora de você têm seu próprio tempo e você precisa ser paciente.

Então vem o processo do parto, seja ele natural ou por cesariana: ambos exigem que você tenha paciência. Paciência com a dor, com as contrações, com a anestesia, com tudo que está fora do seu controle. Espere só mais um pouquinho para ver o rostinho bochechudo e enrugado do seu bebê, para tê-lo em seus braços daquele dia em diante, todos os dias. E é no meio disso tudo, da recuperação pós-parto, em que você tem pontos no seu corpo e cansaço misturado com entusiasmo pela vida nova que está começando, que você precisa ter muita paciência para conseguir amamentar. O bebê vai chorar, pois tudo é estranho para ele naquele momento. Você terá muita insegurança, cheia de dúvidas se está fazendo do jeito certo. Amamentar não é tão simples quanto a gente imagina antes de tentar e você exercita, de novo, a paciência.

Na medida que o bebê vai crescendo, a amamentação continua exigindo paciência e doação. Você espera sua cria se saciar em você, tem a maior paciência do mundo para colocar o neném para arrotar, para fazer dormir e depois começar tudo de novo. Paciência para esperar o primeiro sorriso, os balbucios, o engatinhar e tudo que vem depois disso. Haja paciência para acordar várias vezes na noite, respeitando o tempo e as necessidades do bebê. Paciência com as visitas que aparecem, com o marido que nem sempre te entende, com o seu corpo depois do parto e com a vida que vai te cobrar o mesmo de antes de você se tornar mãe.

A partir de então, acredite: você é um ser humano mais paciente. Seu filho ou filha fez isso com você (agradeça a ele ou ela). Os ciclos da vida são sábios, pois te preparam para ter mais paciência ainda para quando sua criança começar a te contestar, a descordar, a perguntar cada mínima coisinha e, finalmente, para a famigerada fase da adolescência. Mas sobre essa, só escreverei daqui alguns anos... Estou me preparando para chegar lá com sanidade e, claro: paciência aumentada!

Por Bianca De Vit Begrow
O conteúdo da materia é de responsabilidade do colunista

 

 
Bianca De Vit Begrow - atua na área da educação, mãe de Letícia e Manuela

Diretora de escola da rede privada em Salvador - BA, há 17 anos atuando na Educação, mãe de Letícia e Manuela

Elizabeth Monteiro 2016. Todos os direitos reservados.
Cereja.in